segunda-feira, 22 de maio de 2017

Astrologia nos canais de Tele 900: a era de Walter e seu mercado

Clarissa De Franco


O figurão Walter Mercado, sucesso de 1996 a 1999.
A década era 1990, período que entrou para nossa História como o início do acesso da população à Era Digital. Eu tinha apenas pouco mais de uma década de vida e me maravilhava com a sedução daquele mundo que se abria. Não só a internet ampliava seu alcance em termos midiáticos, os telefones móveis também começaram a se popularizar naquele momento (dá para imaginar nossa vida sem a internet e o celular?!). Dentro desse contexto de boom midiático, muitas empresas e canais de TV passaram a anunciar canais de atendimento telefônico, por meio dos quais eram comercializados vários tipos de serviços e informações. Eram os Tele 900. Quem não se lembra dos famosos canais de Tele Sexo? Do bordão “Ligue Jdá”? De todo este período em que fantasiávamos ter acesso a tudo em um telefonema? 

Uma prática usual das empresas que ofereciam os serviços de Tele 900 era cobrar um valor fixo por minuto dos usuários. Esses valores, variados, chegavam a ostensiva quantia de cinco reais por minuto! As opções de serviços eram muito diversificadas, desde Tele 900 da Turma da Mônica – no qual se podiam ouvir histórias que não estavam nos gibis – os canais de Tele Sexo e Tele Namoro – bastante conhecidos na época –, e os serviços de Astrologia e comércio esotérico em geral, dos quais falaremos neste breve artigo. Podemos dizer que o Tele 900 foi o pai dos aplicativos modernos, já que possibilitava ao consumidor que usufruísse dos serviços de modo particularizado, no seu tempo, à distância e de seu próprio aparelho e residência. 

Nesse frisson, uma dessas empresas a oferecer serviços Tele 900 para Astrologia foi a Vimeltary Prestação de Serviços de Telefonia e Assistência, que tinha o nome fantasia de Tele Futuro e era provedora de tecnologia para o funcionamento do "Disque Mãe Dinah”. Nesse momento, o serviço astrológico era oferecido ao lado de outros como tarô, runas, baralho cigano, uma espécie de rol esotérico à disposição dos dedos dos usuários.

Outro canal de mesma natureza que adquiriu sucesso estrondoso foi o do porto-riquenho Walter Mercado, figura cujo carisma até hoje o faz ocupar a mídia, sendo conhecido em muitos países da América por uma miscelânea de atributos, dentre eles sua aparência andrógina, e, na época dos serviços no Brasil, era lembrado pelo já citado bordão “Ligue djá”. Walter Mercado foi um fenômeno construído midiaticamente. Ele veio poucas vezes ao Brasil e emprestava seu carisma místico ao nicho que rendeu sucesso até o fim da década de 90. 

Nosso colega astrólogo Guilherme Salviano, contou em gentil depoimento, que havia, na central de atendimento em que ficavam os atendentes da empresa de Walter Mercado, um mural com as fotos do porto-riquenho ao lado de celebridades, como Bill Clinton e Madonna, para quem teria prestado serviços astrológicos. Uma clara referência à manutenção da imagem de um ícone produzido para impressionar.

Em uma reportagem do Jornal Folha de S. Paulo de 1996 (disponível emhttp://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/9/29/cotidiano/23.html),conta-se que em poucos meses de atendimento, a equipe do Walter Mercado já se compunha de cerca de duzentos “videntes” (assim foram chamados os profissionais atendentes pela matéria), contando com quase três mil ligações diárias feitas por usuários. Um mercado milionário. 

O colega Maurice Jacoel, que atuou nesses serviços, afirmou em entrevista para o site Constelar que os empresários desse ramo costumavam chamar os atendentes profissionais de “místicos”. Em tom crítico ao aspecto mercadológico do trabalho e às condições em que se encontravam os profissionais geralmente com vínculos trabalhistas frágeis, Maurice enfatiza que o prestígio dos atendentes era “determinado pela sua capacidade de fazer com que os atendimentos gerem (gerassem) mais e mais minutos” (http://www.constelar.com.br/revista/edicao00/mercado2.htm). Podemos pensar que os termos “vidente” e “místico” reforçavam a aura esotérica em torno dos profissionais do Tele 900 astrológico, garantindo uma distância entre atendentes e atendidos, uma espécie de “abismo iniciático”, algo bom para os negócios. 

Walter Mercado, embora tenha empreendido o maior negócio astrológico de Tele 900 em São Paulo, vinha pouco ao Brasil. Sua importância consistiu na criação de um importante mercado em Astrologia, tanto para profissionais da área quanto para o público. Sua empresa operava na região da Avenida Paulista, em São Paulo, em um prédio que também foi ocupado por outras empresas da área, como Disk Dione Forti. 

Guilherme Salviano, que atuou em vários destes serviços, afirmou que os astrólogos e astrólogas eram, na verdade, minoria entre os atendentes, sendo muitos deles profissionais de outras áreas, mesmo em serviços que levavam nomes de astrólogos. “Numa proporção de 100, no máximo 20 eram realmente consultores de mapa astral por telefone. A maioria atendia ao telefone e oferecia consultas de tarô, baralho cigano, numerologia e alguns até jogavam búzios”, disse Gui Salviano. Ele também nos contou sobre o software utilizado na central de atendimento de Walter Mercado pelos profissionais astrólogos/as: VegaPlus 5.0.

Mãe Dinah, em imagem que reforça a alcunha de “vidente”. 
Além dos já mencionados Tele Futuro, da Mãe Dinah, “Ligue djá” de Walter Mercado e Disk Dione Forti, outros grupos também atuaram nesse ramo, como o Instituto Omar Cardoso, Norma Blum e seus Magos, Mystical Line e, no Rio de Janeiro, Leiloca Conections.

Nosso colega Guilherme Salviano contou ainda que estes serviços começaram, no início da década de 90 como “ apenas Horóscopos gravados, o qual, através de um número especifico você ouvia sobre seu signo. Normalmente uma numeração com final 01 para Áries, 02 para Touro e assim por diante”. Com o passar dos anos, no entanto, estes serviços foram se expandindo e adquirindo outros formatos e as oportunidades de ganhos para profissionais de astrologia aumentaram significativamente. 

Além dos canais de 0900, que atingiam o público nacional, tínhamos os serviços de números sem o zero inicial, os canais estaduais, que começavam por 900, como o Mystical Line e Linha do Futuro. Eram comuns para estes canais, anúncios em revistas.

Os mesmos investidores que apostaram em Walter Mercado, cuidaram de divulgar o Disk Dione Forti, Tele 900 da astróloga Dione Forti, que apresentava o programa Alto Astral nas manhãs da Rádio Bandeirantes, além de falar sobre mapa astral de ouvintes e citar o Horóscopo diário. Sua empresa passou a operar no mesmo prédio em São Paulo onde funcionava o atendimento da empresa de Walter, onde também chegou a operar o serviço do astrólogo Oscar Quiroga, pouco tempo antes. Para termos ideia da abrangência física desse fenômeno, um prédio em São Paulo chegou a ocupar três andares de call center de serviços de Tele 900 em astrologia e esoterismo. 

Além da Dione Forti, outra mulher a gerenciar um Tele 900 de Astrologia foi a atriz e astróloga Norma Blum, conhecida pelos seus interesses em assuntos de meditação e misticismo. Segundo depoimento do colega Maurício Bernis, Norma Blum teria sido assessorada tecnicamente pela International Society of Astrology Research (Isar), instituição que emite certificação internacional para astrólogos e cuja reputação é bastante conhecida no meio astrológico.

Não podemos deixar de citar dentre estes sistemas, o Instituto Omar Cardoso, no qual prevaleciam os atendimentos astrológicos, e era administrado pelo filho de Omar Cardoso, um famoso radialista (o pai), divulgador da Astrologia em décadas anteriores.

Foto cedida pelo colega Maurício Bernis.
O colega Maurício Bernis, que foi gerente técnico do Instituto, nos concedeu depoimento, indicando que o minuto da ligação em 1999 era de R$ 4,95. As técnicas utilizadas pelos profissionais na época eram as tradicionais: mapa astral, revolução solar, trânsitos... Também nos contou que o público-alvo desses atendimentos era, em maioria, de classe média e classe média baixa, do interior do Brasil, em função da falta de acesso que havia em muitos desses locais aos serviços astrológicos. 

Embora no Instituto Omar Cardoso os serviços astrológicos eram de fato realizados por astrólogos, Mauricio Bernis, assim como indicou Maurice Jacoel de modo bastante contundente, também contou que a credibilidade desses serviços era duvidosa e que começaram a surgir críticas, inclusive da própria mídia sobre a veracidade dos atendimentos. Nessa reportagem de 1999, podemos verificar um processo contra Mãe Dinah e sua equipe do Tele Futuro com a acusação de estelionato e formação de quadrilha, movido por uma usuária que teria se sentido prejudicada e enganada. (Reportagem disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff24079921.htm).

Depois de algum tempo de conhecimento do público sobre estes serviços, alguns astrólogos e astrólogas passaram a ter linhas pessoais de atendimento, operando de sua própria residência, como forma de premiação por terem sido os que mais atendiam nas empresas de Tele 900 ou como iniciativas particulares.

Após a privatização dos serviços de telefonia iniciada em 1999, os canais Tele 900 foram extintos. Apesar do pouco tempo de existência, seu legado para a Astrologia não pode ser desprezado, já que muitos astrólogos e astrólogas fizeram daquela experiência um degrau para os próximos níveis da carreira. O treinamento intensivo do Tele 900 exigia dos profissionais de Astrologia um enorme traquejo para comunicar os conteúdos astrológicos de forma resumida e acessível.  

Dione Forti, que atuou na TV Mundi.
A despeito das críticas sobre o tipo de trabalho astrológico feito nas empresas de Tele 900, do aspecto mercadológico que por vezes pode ter prejudicado a qualidade dos serviços e, em especial, a reputação da Astrologia, terminamos este breve texto, com a expectativa de que esta intensa e breve faceta do campo de atuação da Astrologia no Brasil seja reconhecida como parte da trajetória em busca de uma melhor profissionalização de nossa área, maior inserção, divulgação e, acima de tudo, um exercício de utilização das tecnologias e das mídias disponíveis na época para fins de aproximação do pensamento e da prática astrológica com o grande público.

Clarissa De Franco¹
Psicóloga, astróloga e cientista das religiões

¹ Agradeço, por esta oportunidade de pesquisa, aos gentis colegas Guilherme Salviano, Maurice Jacoel, Maurício Bernis que me cederam depoimentos, à coordenadora deste projeto, a querida Ana Maria Gonzalez, e aos demais colegas que estão contribuindo com a pesquisa, além de todos os astrólogos e astrólogas que se dedicam a manter viva a trajetória da Astrologia.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário